Dieta mediterrânea associada a melhor função cognitiva em idosos com alto risco cardiovascular

MBE em Foco - Volume 3, Issue 10

Referência: JAMA Intern Med 2015 May 11 early online (evidência de nível 3 [indireta])

Em 2010, a prevalência estimada de demência foi de 14,7% entre os adultos com mais de 70 anos de idade nos Estados Unidos (N Engl J Med. 2013 Apr 4;368(14):1326, Neuroepidemiology. 2007;29(1-2):125). O estresse oxidativo e o comprometimento vascular contribuem para o declínio cognitivo relacionado à idade, mas não há estratégias de prevenção ou tratamento farmacológicos eficazes desenvolvidas até o momento (Biochem Pharmacol. 2014 Apr 15;88(4):631, Br J Psychiatry. 2013Sep;203(3):255). O ensaio PREDIMED já havia demonstrado que a dieta mediterrânea suplementada com alimentos ricos em antioxidantes poderia reduzir os desfechos cardiovasculares adversos em pacientes de alto risco. Uma recente análise de subgrupo desse estudo examinou a função cognitiva em 447 adultos cognitivamente saudáveis (com idade média de 67 anos) que foram randomizados para 1 de 2 dietas mediterrâneas suplementadas com antioxidantes ou uma dieta controle. Os pacientes foram acompanhados por uma mediana de 4,1 anos.

O estudo incluiu adultos saudáveis (sem doença cardiovascular ao recrutamento) com diabetes mellitus tipo 2 ou três de cinco fatores de risco cardiovascular como tabagismo, hipertensão arterial, dislipidemia, sobrepeso ou obesidade e história familiar de doença coronariana precoce. Os participantes foram designados para dieta mediterrânea e óleo de oliva extra-virgem (1 L/semana) versus dieta adicionada de nozes (30 g/dia) versus dieta controle (aconselhamento para reduzir a gordura dietética) e foram avaliados quanto à função cognitiva no início e na conclusão do ensaio. Comparadas à dieta controle, a dieta mediterrânea com azeite extra-virgem foi associada a melhorias no escore global composto de cognição (p <0,01) e no escore composto de função frontal (p <0,01) e a dieta mediterrânea com nozes foi associada a um maior escore composto de memória (p <0,05). Além disso, todos os escores cognitivos compostos foram significativamente reduzidos também com a dieta controle desde o início.

Foram observadas melhorias estatisticamente significativas nos escores cognitivos compostos com as duas dietas mediterrâneas, e os resultados deste estudo foram fortalecidos pela longa duração da intervenção e pela grande variedade de testes neuropsicológicos utilizados para avaliar o funcionamento cognitivo. No entanto, o estudo é limitado pela elevada perda de seguimento, particularmente no grupo de controle, e pelo relativamente pequeno número de participantes submetidos aos testes de função frontal e linguagem. Além disso, a inclusão unicamente de participantes de risco vascular elevado pode afetar a generalização dos resultados. No geral, os resultados sugerem que a melhora na função cognitiva em adultos mais velhos pode ser um benefício adicional além dos desfechos cardiovasculares de uma dieta mediterrânea suplementada com alimentos ricos em antioxidantes. Ainda é incerto se essas melhorias nos testes neuropsicológicos se traduzem em resultados funcionais do mundo real.

Para mais informações, veja o tópico Dieta mediterrânea na DynaMed.


Other EBSCO Sites +