Escala de Coma de Glasgow pode subestimar gravidade da lesão cerebral traumática em pacientes ≥ 65 anos de idade

MBE em Foco - Volume 4, Issue 2

Referência - Emerg Med J 2015 Aug;32(8):613 (evidência de nível 2 [médio])

A Escala de Coma de Glasgow (GCS) é uma ferramenta simples e bem validada usada para avaliar o grau de lesão cerebral em pacientes com traumatismo craniano (SIGN 2009 May PDF). A GCS não é usada apenas como parte da avaliação do paciente para ajudar a orientar o tratamento inicial e uma potencial transferência para um grande centro de trauma, mas também desempenha um papel importante nas determinações da continuidade dos cuidados e do prognóstico. Relatos anteriores sugeriram que os idosos com lesão cerebral traumática moderada a grave podem apresentar maiores pontuações na GCS do que os adultos mais jovens (J Trauma 2004 May;56(5):1042), mas esse estudo teve apenas 44 pacientes com idades ≥ 65. Um estudo de coorte retrospectivo recente avaliou as pontuações na GCS de 561 pacientes com lesões cerebrais traumáticas significativas isoladas, definidas como uma pontuação na Abbreviated Injury Scale (AIS) de 3-5 e nenhuma outra lesão com uma pontuação na AIS> 2.

Cinquenta e sete por cento dos pacientes tinham ≥ 65 anos de idade. Não houve diferenças significativas nas distribuições das pontuações na AIS da cabeça comparando os pacientes com 65 anos de idade ou mais aos pacientes com menos de 65 anos. No entanto, as pontuações GCS e a sobrevida foram significativamente diferentes entre os pacientes idosos e os mais jovens (ver Tabela 1 abaixo).

Tabela 1
Tabela 1


Os resultados deste estudo sugerem que a escala de Glasgow pode ser menos precisa em prever a extensão de uma lesão cerebral traumática isolada em adultos ≥ 65 anos em comparação com adultos mais jovens. Isso é consistente com as diretrizes atuais que incluem a idade > 65 anos como uma indicação para TC de crânio sem contraste em pacientes sem perda de consciência ou amnésia após um trauma (Ann Emerg Med 2008 Dec;52(6):714, NICE 2014 Jan 22:CG176). Dado o papel da GCS na avaliação e no tratamento de pacientes com lesões cerebrais traumáticas, é importante considerar estes resultados na abordagem de pacientes idosos com traumas cefálicos.

Para mais informações, veja os tópicos Concussão e trauma cerebral leve e Lesão cerebral traumática moderada a grave na DynaMed Plus. Usuários DynaMed clicam aqui e aqui.


Other EBSCO Sites +