Vacinação materna reduz risco de influenza em gestantes e seus lactentes

MBE em Foco - Volume 1, Issue 17

Reference: N Engl J Med 2014 Sep 4;371(10):918
para mulheres sem infecção por HIV (evidência de nível 1 [provavelmente confiável])
para mulheres com infecção por HIV (evidência de nível 2 [médio])

As mulheres grávidas têm um risco aumentado de gripe grave desde o segundo trimestre de gestação até o período pós-parto, e são consideradas um grupo prioritário para receber a vacina contra a gripe sazonal pela Organização Mundial da Saúde (Weekly Epidemiological Record PDF) e pelos Centers for Disease Control and Prevention dos EUA (MMWR Recomm Rep 2013 Sep 20;62(RR-07):1 full-text). No entanto, os dados sobre a eficácia da vacinação contra influenza nesta população ainda são limitados, particularmente aqueles que mostram um efeito protetor sobre as crianças após o nascimento. Dois estudos randomizados recentes da África do Sul avaliaram a eficácia da vacina inativada trivalente contra influenza em 2116 mulheres grávidas não infectadas com HIV, 194 gestantes com infecção por HIV e em seus recém-nascidos até 24 semanas após o nascimento.

Em gestantes sem infecção pelo HIV, a taxa de influenza confirmada laboratorialmente foi de 1,8% com a vacina contra influenza versus 3,6% com placebo (p = 0,01). Da mesma forma, entre os recém-nascidos de mães vacinadas, as taxas de infecções por gripe confirmadas foram de 1,9% com a vacina contra influenza versus 3,6% com placebo (p = 0,01). Em mulheres grávidas infectadas com o HIV, as taxas de influenza confirmada em laboratório com a vacina versus placebo foram de 7% versus 17% (p = 0,05) nas mães e 5% versus 6,8% entre seus filhos (diferença não significativa). Não houve diferenças significativas entre o grupo vacinado e o grupo do placebo para as taxas de doenças não específicas semelhantes à gripe ou para as doenças respiratórias em geral, independentemente da presença de infecção por HIV ou não.

O efeito protetor da vacina inativada contra a gripe para crianças de mães vacinadas observado nesses novos ensaios é consistente com um estudo anterior conduzido em Bangladesh. Esse ensaio anterior, com 340 mulheres, descobriu que uma vacinação materna semelhante reduziu os casos de gripe confirmados em laboratório em lactentes acompanhados por 24 semanas em comparação com a vacinação materna com vacina pneumocócica (N Engl J Med 2008 Oct 9;359(15):1555). Este maior e mais recente estudo solidifica ainda mais esse efeito protetor em mães sem infecção pelo HIV e seus bebês. Ele também sugere benefícios semelhantes para mães infectadas pelo HIV, uma população que pode ser particularmente vulnerável a infecções.

Para mais informações, veja o tópico gripe na gravidez no Dynamed.


Other EBSCO Sites +