Momento da introdução de glúten na alimentação de crianças de alto risco parece não influenciar o desenvolvimento de doença celíaca nas idades de 3 a 5 anos

MBE em Foco - Volume 2, Issue 2

Reference: N Engl J Med 2014 Oct 2;371(14):1304, N Engl J Med 2014 Oct 2;371(14):1295 (evidência de nível 2 [médio])

A doença celíaca afeta cerca de 1% das pessoas em populações ocidentais, mas a prevalência aumenta para até 20% nos parentes de primeiro grau de pacientes acometidos (Gastroenterology 2005 Apr;128(4 Suppl 1):S57), o que sugere uma associação genética. Tem sido observado que 95% dos pacientes com doença celíaca expressam o genótipo HLA-DQ2 e quase todos os pacientes restantes expressam o HLA-DQ8 (Curr Allergy Asthma Rep 2013 Aug;13(4):347), mas 30-40% da população geral também expressa HLA-DQ2, indicando que o risco é uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Estudos observacionais anteriores sugeriram que a idade de introdução dos alimentos que contêm glúten e a amamentação podem influenciar o desenvolvimento da doença celíaca em populações de alto risco (Aliment Pharmacol Ther 2012Oct;36(7):607). Especificamente, esses estudos sugerem que a introdução do glúten entre as idades de 4 e 7 meses pode reduzir o risco de doença celíaca. Dois ensaios clínicos aleatórios recentes procuraram investigar o efeito da introdução programada de glúten na dieta (massas, semolina, e bolachas) para crianças de alto risco para doença celíaca.

O ensaio PreventCD (N Engl J Med 2014 Oct 2;371(14):1304) distribuiu aleatoriamente 944 crianças entre 16 e 24 semanas de idade que tinham pelo menos um parente de primeiro grau portador de doença celíaca para receberem 100 mg de glúten imunologicamente ativo ou placebo diariamente. Todas as crianças incluídas neste trabalho também foram positivas para os heterodímeros HLA-DQ2, HLA-DQ8 ou HLA-DQB1 * 02. Aos 3 anos de idade, não houve diferenças significativas na comparação entre os grupos de glúten e placebo quanto ao desenvolvimento da doença celíaca manifesta (5,9% vs. 4,5%) e a amamentação também não influenciou o desenvolvimento da doença.

De maneira similar, o ensaio CELIPREV (N Engl J Med 2014 Oct 2;371(14):1295) randomizou 823 lactentes com pelo menos um parente do primeiro grau com doença celíaca para introdução do glúten na dieta aos 6 meses versus aos 12 meses. Apenas as 553 crianças que completaram pelo menos 3 anos de acompanhamento e eram positivas para HLA-DQ2 ou HLA-DQ8 foram incluídas na análise. A doença celíaca evidente foi significativamente maior à idade de 2 anos nas crianças randomizadas para a introdução de glúten aos 6 meses versus 12 meses (12% vs. 5%, p = 0,01 NNH = 14). No entanto, aos 5 anos de idade não houve diferença significativa entre os grupos no diagnóstico de doença celíaca evidente (16% em cada). Este ensaio também não encontrou associação entre amamentação e desenvolvimento da doença celíaca.

Os resultados destes estudos sugerem que a introdução do glúten na dieta a um tempo específico durante a infância não influencia significativamente o desenvolvimento da doença celíaca. Estes são os primeiros grandes ensaios randomizados que avaliam especificamente a associação do momento de introdução de glúten com o risco de doença celíaca. Com base nestas novas descobertas, prazos específicos para a introdução do glúten para a prevenção da doença celíaca em crianças de alto risco não aparentam ter eficácia.

Para mais informações, veja o tópico doença celíaca no Dynamed.


Other EBSCO Sites +