Monitoramento expectante em mulheres com hipertensão arterial não grave na gestação entre 34 e 37 semanas parece melhorar os desfechos neonatais, mas o efeito sobre os desfechos maternos é incerto

MBE em Foco - Volume 3, Issue 15

Referência - ensaio HYPITAT-II (Lancet 2015 June 20;385(9986):2492) (evidência de nível 2 [médio])

As doenças hipertensivas da gestação, que incluem a hipertensão crônica, a hipertensão gestacional, a pré-eclâmpsia, a pré-eclâmpsia sobreposta à hipertensão crônica e a eclampsia, são as complicações médicas mais comuns da gravidez e afetam 5-8% de todas as gestações nos Estados Unidos (J Clin Hypertens (Greenwich) 2009 Apr;11(4):214). Acreditava-se que a Indução do parto reduzisse de maneira significativa o risco de hipertensão grave, com diminuições não significativas nas incidências tanto da síndrome HELLP (hemólise, elevação de enzimas hepáticas e redução de plaquetas) quanto dos cuidados hospitalares intensivos maternos em comparação com o monitoramento expectante em mulheres com hipertensão gestacional ou pré-eclâmpsia leve entre 36 e 41 semanas de gestação (Lancet 2009 Sep 19;374(9694):979). As diretrizes atuais recomendam considerar o parto em mulheres com hipertensão arterial não-grave em gestações > 37 semanas e indicam a antecipação do parto se houver sofrimento materno ou fetal, pré-eclâmpsia grave ou síndrome HELLP (Obstet Gynecol 2013 Nov;122(5):1122, J Obstet Gynaecol Can 2014 May;36(5):416). As recomendações são menos claras, no entanto, para as mulheres com hipertensão arterial não-grave com gestação entre 34 e 37 semanas.

Um estudo randomizado recente comparou o parto imediato com a conduta expectante em 703 mulheres com distúrbios hipertensivos não graves entre 34 e 37 semanas de gestação. O parto imediato incluiu a indução do parto ou cesariana no prazo de 24 horas após a randomização, enquanto as mulheres randomizadas para monitoramento expectante receberam intervenções destinadas a prolongar a gestação até 37 semanas.

Os tempos medianos entre a randomização e o parto foram de 2 dias com o parto imediato versus 7 dias com a monitorização expectante (p <0,05). No grupo de monitoramento expectante, 36% das mulheres tiveram o parto antes das 37 semanas de gestação devido a indicações maternas ou fetais. O desfecho composto de eventos adversos maternos foi definido como complicação tromboembólica, edema pulmonar, síndrome HELLP, eclampsia, descolamento prematuro da placenta ou morte materna. Embora não tenha havido diferenças significativas nos eventos adversos maternos entre os grupos, houve uma taxa não significativamente menor de eventos adversos com o parto imediato em relação ao monitoramento expectante (1,1% vs. 3,1%, p = 0,069). Não houve diferenças significativas nas complicações maternas individualmente, incluindo a síndrome HELLP, os processos tromboembólicos ou a eclampsia. O parto imediato, no entanto, foi associado a um aumento nos resultados adversos neonatais. A síndrome da angústia respiratória neonatal ocorreu em 5,7% dos recém-nascidos com o parto imediato versus 1,7% com o monitoramento expectante (p = 0,005, NNH = 25) e a morbidade neonatal foi relatada em 49,1% dos partos imediatos versus 36,3% das gestações monitorados (p <0,05, NNH = 8).

Embora este estudo não tenha constatado uma associação do parto imediato com uma redução significativa das complicações maternas globais, esses resultados são limitados pelo baixo número de eventos adversos maternos em ambos os grupos, bem como pela elevada taxa de partos antes de 37 semanas no grupo do monitoramento expectante. No entanto, o maior risco de eventos adversos neonatais foi claro, com um aumento significativo das taxas de síndrome da angústia respiratória neonatal e da morbidade neonatal global no grupo do parto imediato. No geral, estes resultados sugerem que a conduta expectante para mulheres com 34-37 semanas de gestação com distúrbios hipertensivos não-graves pode resultar em melhores resultados para o bebê, mas a questão do possível aumento nos resultados adversos maternos terá de ser avaliada em ensaios subsequentes.

Para mais informações, veja o tópico Distúrbios hipertensivos da gestação na DynaMed.


Other EBSCO Sites +