Prednisona oral pode melhorar status funcional de pacientes com radiculopatia aguda devido a hérnia discal, mas não melhora a dor

MBE em Foco - Volume 3, Issue 11

Referência:

JAMA 2015 May 19;313(19):1915 (evidência de nível 1 [provavelmente confiável])

A hérnia de disco lombar muitas vezes se apresenta como dor ciática que irradia da parte inferior das costas para a perna e o pé. Embora a dor radicular geralmente comece a remitir em 2 a 4 semanas com o tratamento conservador, ela pode persistir durante mais de 1 ano em até 30% dos pacientes (BMJ 2007 Jun 23;334(7607):1313). Corticoides sistémicos muitas vezes são prescritos como parte do tratamento conservador, mas os dados sobre a eficácia dessa abordagem são limitados (Rheumatology (Oxford) 2011 Sep;50(9):1603). Um ensaio randomizado recente comparou a prednisona oral a placebo durante 15 dias em 269 adultos com radiculopatia aguda devido a hérnia de disco lombar. O regime de dosagem consistiu de prednisona em cápsulas de 20mg administrada como 60mg por dia durante 5 dias, seguidos de 40mg por dia durante 5 dias, seguidos de 20 mg por dia durante os 5 dias finais. Os pacientes randomizados para placebo receberam cápsulas com aparência e esquema de administração idênticos. As medicações anti-inflamatórias não esteroidais foram proibidas durante 3 semanas após a randomização.

Para inclusão no estudo, os pacientes tiveram que ter dor radicular por ≤ 3 meses, uma hérnia de disco confirmada por ressonância magnética (MRI) e um Índice de Incapacidade de Oswestry (ODI) com pontuação ≥ 30, indicando, pelo menos, deficiência moderada (o ODI médio foi de 51). A diferença clinicamente importante mínima foi definida previamente como de 7 pontos no índice entre os grupos. A 3 semanas após a randomização, a pontuação média no ODI nos pacientes randomizados para a prednisona diminuiu 19 pontos, em comparação com 13,3 pontos nos pacientes que receberam placebo (diferença média ajustada de 6,4 pontos, p = 0,006). A prednisona também foi associada com um maior número de pacientes alcançando uma redução ≥ 50% na pontuação do ODI neste ponto do tempo (33% versus 19,8%, p = 0,01, NNT = 8). A 52 semanas, as diferenças médias nas pontuações do ODI em relação ao ponto inicial foram de 37,8 pontos no grupo da prednisona versus 30,4 pontos no grupo do placebo (diferença média ajustada de 7,4 pontos, p = 0,005). A prednisona não melhorou as pontuações de dor a 3 ou 52 semanas, mas foi associada a um maior risco de eventos adversos. Pelo menos um evento adverso foi relatado em 49,2% dos pacientes com prednisona versus 23,9% com placebo (p <0,001, NNH = 4). Insónia, nervosismo e aumento do apetite foram significativamente mais comuns com a prednisona na comparação com o placebo.

O tratamento com prednisona resultou em uma proporção significativamente maior de pacientes que têm uma melhoria de pelo menos 50% na sua pontuação ODI em 3 semanas. Embora a diferença média ajustada entre os grupos tenha sido logo abaixo do mínimo de 7 pontos que a definiu como clinicamente importante, os resultados médios podem mascarar benefícios significativos para os subgrupos (embora ainda precise ser verificado se existe algum subgrupo identificável para o qual essa terapia possa ser direcionada). A prednisona não diminuiu a dor ou o risco de cirurgia na coluna, e foi associada a um aumento nos eventos adversos. No geral, estes resultados sugerem que a prednisona pode melhorar a incapacidade em alguns pacientes com radiculopatia aguda por hérnia de disco lombar, mas ela não melhora o estado de dor, e irá resultar em algum tipo de efeito adverso em quase metade dos pacientes. Os benefícios e os riscos parecem bastante equilibrados e a decisão de usar corticoides para esta indicação deve ser feita em uma base individual.

Para mais informações, veja os tópicos Herniação de disco lombar e Dor ciática na DynaMed.


Other EBSCO Sites +