Propranolol a 3 mg/kg/dia durante 6 meses pode aumentar taxas de remissão completa em lactentes com hemangioma infantil proliferativo

MBE em Foco - Volume 2, Issue 21

Referência: N Engl J Med 2015 Feb 19;372(8):735 (evidência de nível 2 [médio])

Hemangiomas infantis são tumores vasculares benignos que ocorrem em 1% a 10% das crianças e geralmente surgem entre 1 e 8 semanas após o nascimento (Paediatr Perinat Epidemiol 2008 Nov;22(6):520, Paediatr Perinat Epidemiol 2012 Mar;26(2):156, Br J Dermatol 2014 Apr;170(4):907). Embora a maioria dos hemangiomas infantis acabem por involuir e não necessitem de tratamento, alguns hemangiomas proliferativos necessitam de terapia sistémica (Semin Pediatr Surg. 2014 Aug;23(4):162-7). Várias séries de casos e pequenos ensaios randomizados têm sugerido que o betabloqueador propranolol pode inibir o crescimento de hemangiomas (Pediatrics 2011 Aug;128(2):e259, Br J Dermatol 2013 Jul;169(1):181, J Pediatr Surg 2012 Apr;47(4):707) e estudos de coorte têm apontado o propranolol como mais eficaz que os corticosteroides sistêmicos (Ann Plast Surg 2015 Feb;74(2):237, Pediatr Dermatol 2011 Nov-Dec;28(6):649). Embora o propranolol venha sendo utilizado com maior frequência com base nesses estudos, ainda não há uma evidência forte que apoie sua utilização a partir de um grande ensaio randomizado. Um estudo randomizado recente comparou o propranolol oral com placebo durante 6 meses em 460 crianças com idades entre 1 e 5 meses com hemangiomas proliferativos. Para determinar o regime de tratamento mais eficaz com propranolol, os lactentes foram distribuídos aleatoriamente para 1 de 4 regimes de propranolol ou placebo, com os regimes de propranolol incluindo 1 mg/kg/dia durante 3 meses seguidos de placebo durante 3 meses, 3 mg/kg/dia durante 3 meses seguidos de placebo durante 3 meses, 1 mg/kg/dia durante 6 meses e 3 mg/kg/dia durante 6 meses.

No geral, 29% das crianças abandonaram o estudo, principalmente devido à falta de eficácia. Os grupos para os quais as crianças foram randomizadas influenciaram de maneira significativa as taxas de abandono, com 65% das crianças do grupo placebo, 36% das crianças dos grupos de propranolol por 3 meses e 14% das crianças dos grupos de propranolol por 6 meses abandonando o estudo antes de 24 semanas. Uma análise intermediária pré-estabelecida foi realizada quando 188 pacientes (incluindo os que abandonaram) atingiram a marca de tempo de 24 semanas para determinar quais regimes haviam apresentado as maiores taxas de sucesso e seriam incluídos na análise final da eficácia de um único regime de propranolol versus placebo. A dose e a duração do propranolol foram significativamente associadas com o sucesso do tratamento (definida como remissão completa ou quase completa do hemangioma-alvo) na análise intermediária. O sucesso do tratamento ocorreu em 38% dos pacientes com o propranolol a 1 mg/kg/dia durante 6 meses (p = 0,004 vs. placebo) e 63% dos pacientes que receberam propranolol a 3 mg/kg/dia durante 6 meses (p <0,001 vs. placebo) em comparação com 8% dos que receberam placebo na análise intermediária. Não houve diferenças significativas nas comparações dos tratamentos com propranolol por 3 meses com placebo. Na análise de eficácia à 24ª semana que comparou 3 mg/kg/dia de propranolol por 6 meses versus placebo, o sucesso do tratamento ocorreu em 60% versus 4% (p <0,001, NNT = 2). Este regime de propranolol também foi associado a um aumento da taxa de melhora a 5 semanas (88% vs. 5%, p <0,001, NNT = 2). Não houve diferenças significativas nas taxas de eventos adversos em geral ou de eventos adversos graves entre todos os grupos.

Este ensaio sugere que o propranolol a 3 mg/kg/dia durante 6 meses pode ser eficaz para a remissão completa dos hemangiomas proliferativos que requerem tratamento em lactentes. Embora o tratamento com propranolol tenha sido associado a uma taxa ligeiramente mais elevada de eventos adversos, tais como diarreia, distúrbios do sono e bronquite, este aumento não foi significativo e os eventos adversos devidos a riscos importantes reconhecidamente associados aos efeitos do propranolol (hipoglicemia, hipotensão, bradicardia e broncoespasmo) foram raros em todos os grupos. Estes resultados apoiam o uso do propranolol como terapia de primeira linha para hemangiomas infantis.

Para mais informações, veja os tópicos Hemangioma em lactentes e Propranolol na DynaMed.


Other EBSCO Sites +